parallax background

Os livros, as traças e os morcegos: uma curiosidade da Biblioteca do Convento de Mafra

15/09/2012
Clipping (Secretaria da Educação do Paraná) – O professor PDE e os desafios da escola pública paranaense.
01/01/2012
Clipping (Câmara Municipal de Vitória) – História da Câmara Municipal de Vitória: os atos e as atas
01/01/2014

Após concluir minha comunicação no IV Simpósio Ibero-Americano de Cartografia História, em Lisboa, os participantes do evento foram levados a um passeio pelo Palácio de Mafra, nas proximidades da capital, onde seria inaugurada uma pequena exposição de cartografia histórica. Lá chegando, fizemos uma visita especial à biblioteca do Palácio, que normalmente pode ser vista apenas da porta. A biblioteca é linda. Mas não foi a vista da biblioteca que realmente me fez ganhar o dia, e sim a história contada pela bibliotecária.

Ela começou a contar a história da biblioteca, os catálogos feitos no século XVIII e XIX, e a preservação dos livros. E foi nesse último tema que ela disse que os três principais motivos para eles não terem trabalho com a preservação dos livros eram: “a temperatura natural da biblioteca, a umidade, e a colônia gigante de morcegos que nós temos aqui no Palácio”. É claro que depois disso ninguém queria saber que a temperatura ali dentro não variava com as estações, nem que a madeira, o espaço entre as prateleiras e o vazio interior da estrutura impedia que a umidade chegasse aos livros. As pessoas queriam era saber dos morcegos!

Segundo ela, há mesmo uma grande colônia de morcegos que habita as regiões do Palácio, e que nunca foi estudada por biólogos — estudos começaram agora. Esses morcegos à noite se apertam entre as frestas das portas e janelas e passeiam pela biblioteca onde, toda noite, comem o equivalente a metade do seu peso em insetos.

Aquilo fez o meu dia. Onde no mundo há uma biblioteca que pode dizer que não se preocupa com produtos químicos para traças e comedores de livro em geral porque tem uma equipe de morcegos sempre pronta para ajudar? Saí de lá fascinado, com a beleza da Biblioteca do Convento de Mafra, com o acervo enciclopédico fantástico, e com os simpáticos morcegos que, sem saber, ajudam a preservar um patrimônio sem valor.

Fabio
Fabio
Eu sou criador de conteúdo, curioso sobre tudo e especialista em pesquisar no Google. Sou um historiador, um professor com doutorado e anos de experiência na criação de conteúdo para as áreas acadêmicas e de marketing, incluindo livros, artigos para web e posts em mídias sociais. Eu gosto de fazer as coisas acontecerem e de liderar pequenas equipes por influência para alcançar grande sucesso. Eu criei o projeto Spirito Sancto, que torna a História mais acessível, e uma editora para autores independentes. Eu também sou escritor, com um romance premiado chamado Beije-me em Barcelona e vários livros de História.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *