História Capixaba 011: Fundação e aniversário de Vitória (Live)
09/09/2021
História Capixaba 012: Escravidão africana e indígena no Espírito Santo colonial, com Juliana Simonato
28/09/2021
Mostrar todos

Leitores relatam como compreensão da própria cor mudou (Folha de São Paulo)

Leituras, reflexões, opiniões externas e contexto socioeconômico levam a dúvida sobre como se declarar

“Por muito tempo me declarei parda. Tenho a pele mais clara e cabelos lisos. Um dia, na escolinha de natação da minha filha, que é branca como o pai, uma mãe me perguntou se eu era a babá”, conta a professora Fabiana de Matos Barbosa, 42.

Segundo ela, que é de São Paulo, o evento foi um divisor de águas, acentuado por uma atitude racista que ela própria teve depois no mesmo local: “Pensei que uma mulher negra fosse da limpeza. Uma semana depois, me desculpei”.

Desde então, Fabiana passou a se considerar negra, definição que, oficialmente, abarca pretos e pardos.

O relato da professora foi um dos 38 que a Folha recebeu ao convidar leitores da série A Cor da Desigualdade no Brasil a responderem se já tiveram dúvidas sobre sua identidade étnico-racial.

A ideia da interação surgiu a partir de comentários de especialistas sobre o fato de que diferentes formas como a população interpreta sua cor podem influenciar, em alguma medida, comparações entre os resultados do Ifer (Índice Folha de Equilíbrio Racial) em diferentes estados.

Alguns pesquisadores afirmaram que no Norte não é incomum que indígenas se declarem pardos. Outros ressaltaram a tendência recente de que mais brasileiros se denominem negros.

De fato, 24 dos 38 leitores –60% do total– relataram insegurança sobre identidade ou dificuldades de inserção social relacionadas à cor.

“Ter dúvidas sobre minha raça/cor é uma constante. Hoje, após anos de leitura e discussões sobre as relações raciais no Brasil, opto por me declarar pardo”, diz o professor Eduardo Pereira Santos, 46, de Salvador (Bahia).

“Mas sinto que esse termo ainda se insere numa tentativa de dividir o povo negro, uma espécie de branqueamento; isso omite ainda minha ascendência indígena”, afirma ele. Por dúvidas como essa, outros 20 leitores alteraram a forma como declaram sua cor ou raça.

Em nenhuma das situações houve menção à troca para indígena ou amarelo: todos os casos envolveram classificações de branco, pardo e preto.

Fabio Paiva Reis, 35, foi recusado em banca de avaliação fenotípica para uma vaga de professor de História do Instituto Federal do Maranhão destinada a pardos e pretos. “Eu me candidatei porque sempre me reconheci como pardo”, afirma.

“Com um avô preto e um pai pardo, sempre fui o ‘neguinho’ da família. Fiquei chocado como um grupo pode desfazer a identidade de alguém”, conta ele, que tenta reverter a decisão na Justiça.

Fabio
Fabio
Eu sou criador de conteúdo, curioso sobre tudo e especialista em pesquisar no Google. Sou um historiador, um professor com doutorado e anos de experiência na criação de conteúdo para as áreas acadêmicas e de marketing, incluindo livros, artigos para web e posts em mídias sociais. Eu gosto de fazer as coisas acontecerem e de liderar pequenas equipes por influência para alcançar grande sucesso. Eu criei o projeto Spirito Sancto, que torna a História mais acessível, e uma editora para autores independentes. Eu também sou escritor, com um romance premiado chamado Beije-me em Barcelona e vários livros de História.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *