Mirian Cavalcanti: “Beije-me em Barcelona é a promissora estreia de Fabio Paiva Reis”

Entrevista para a Simonetti Livraria
3 de julho de 2017
Clipping (TV UFES) – Agenda TV Ufes: Dança, teatro, literatura e eventos acadêmicos
7 de julho de 2017
Exibir tudo

Mirian Cavalcanti: “Beije-me em Barcelona é a promissora estreia de Fabio Paiva Reis”

Promissora estreia de Fabio Paiva Reis, ao revelar a capacidade de nos tomar pela mão e, em meio às incertezas amorosas de um jovem par, fazer com que nos sintamos igualmente jovens a passear por ruas e becos e praças de um velho continente.

Mirian da Silva Cavalcanti é escritora e vive na região do Caparaó. Também premiada no Funcultura 2016 com o livro Femina, Feminae, a ser publicado.

Li, certa vez, que uma história bem contada é tudo que se espera de um bom romance. E concordei inteiramente ante a parcimônia/simplicidade da colocação. Acrescentaria um detalhe, a meu ver precioso: diálogos espontâneos, vivos. É o que se constata em Beije-me em Barcelona, de Fabio Paiva Reis.

É curiosamente envolvente a história de amor e separação de um jovem casal, que ensaia, longe no tempo e no espaço, uma reaproximação. Esse “curiosamente envolvente” corre por conta da não aposta em algum enredo denso ou dramático, mesmo considerando a infeliz atitude do personagem Isaque, que, anos antes, imprimira marcas dolorosas à separação do par.

Ao longo do desenrolar da história, acompanha-se toda a autocrítica e insegurança do personagem, que, em um clima em que se respira juventude, vai revelando ao leitor a encruzilhada em que se sente plantado a partir das próprias ações. Juventude, aliás, que vem a ser o delicioso pretexto para nos apresentar uma atraente Barcelona nos quatro últimos dias de 2011, além de despertar um interesse paralelo quanto à vida de jovens estudantes brasileiros em cidades portuguesas.

Promissora estreia de Fabio Paiva Reis, ao revelar a capacidade de nos tomar pela mão e, em meio às incertezas amorosas de um jovem par, fazer com que nos sintamos igualmente jovens a passear por ruas e becos e praças de um velho continente.

Mirian S. Cavalcanti.

Capa de Femina, Feminae, de Mirian Cavalcanti.

Carioca, vivendo na serra do Caparaó capixaba desde 1993. Aos 65 anos, com o romance Confraria Van Gogh, incorporou de vez à sua vida isso de escrever, essa aventura de ouvir personagens que não dão a mínima atenção ao que tenta determinar para eles. Crê na arte como ponte entre os povos, apesar da lavagem cerebral da globalização.

Livros Publicados:

  • Confraria Van Gogh/romance,
  • Anonimatos – Histórias entre parênteses/contos e crônicas
  • A Galinha que Não Era Pintadinha /infanto-juvenil
  • Ao Pedro II, Tudo ou Nada?/memórias estudantis coletivas, já no Volume 5
  • Femina,Feminae/romance. A sair.

Participações significativas:

  • Secult/ES 2013, 2º lugar em Obras Literárias Infanto-Juvenis;
  • Prêmio UFES de Literatura 2013, entre os 10 autores publicados;
  • Secult/ES 2016, 1º lugar Obras Literárias Romance, Autores não estreantes.
Fabio
Fabio
Fabio Paiva Reis é historiador, doutor pela Universidade do Minho, em Portugal. Natural de Vitória, Espírito Santo, voltou para o Brasil em meados de 2013, quando começou a se dedicar a projetos pessoais. Escreveu “Beije-me em Barcelona”, seu primeiro romance, e foi premiado em um Edital do Funcultura 2016, da Secult-ES. Fotógrafo amador e nerd assumido, Fabio é casado com Thais, com quem tem duas lindas gatas, Jade e Mimi.

Deixe um comentário