Clipping (Ufes) – Indígenas no Espírito Santo: de sujeitos anônimos a agentes ativos nas disputas de poder entre os séculos XVI-XVII

O Museu, a tragédia e a lição: a importância da preservação da nossa História
03/09/2018
Clipping (Scielo) – Structural and mineralochemical characterization of a pegmatite deposit in the Santa Rosa Pegmatite Field, Minas Gerais Brazil
19/06/2019
clipping-2019-06-14 ufes

Citação em tese de doutorado do pesquisador Gabriel Angra Ghidetti, defendida no Programa de Pós-Graduação em História Social das Relações Políticas da Universidade Federal do Espírito Santo.

Trecho:

Dessa maneira, da escala reduzida de um grupo de índios num navio que sondava o litoral da capitania, aumentamos para o campo de visão amplo, onde acontecia a disputa pelas rotas que envolviam o Atlântico, tendo o Espírito Santo como principal referência. A cartografia, inclusive, ajudou a construir o discurso de poder sobre o território, como um atestado de que determinada parte estava, já, sob um domínio assegurado e graficamente representado.

Sobre a cartografia, Fabio Paiva Reis afirmou: “A cartografia portuguesa, que servia como discurso político, é fruto do desenvolvimento científico que acompanhou o Renascimento, que permitiu que os europeus se desgarrassem das costas de seu continente e conhecessem os oceanos. Permitiu ainda que eles conseguissem encontrar, através dos astros, sua posição na terra e no mar, e também colocá-las no papel, mudando a forma dos europeus verem o mundo.” Cf. REIS, Fabio P. As Representações Cartográficas da Capitania do Espírito Santo no Século XVII. Tese de doutoramento em História. Universidade do Minho, 2017, p. 62

(…)

Numa aproximação do mapa, vê-se assinalado o vocábulo “forte” exatamente nos dois lados (“b” e “c”) da entrada e, a partir do caminho sugerido pelas setas vermelhas, compreende-se o nível de visão que tinham os índios e demais homens de defesa para a preparação de um possível contra-ataque, como de fato foi narrado pelos cronistas. Acrescente-se, ainda, que esses fortins ficavam camuflados pelos matos e isso iludia ainda mais os estrangeiros sobre a segurança da vila. 150 Além disso, a presença do Morro do Moreno (a), como afirma Fabio Paiva Reis, “sempre serviu como posto de observação e foi ponto essencial na estratégia de defesa contra inimigos, especialmente Thomas Cavendish em 1592, quando o morro foi posto em chamas”.

(…)

REIS, Fabio Paiva. As Representações Cartográficas da Capitania do Espírito Santo no Século XVII. Tese de doutoramento em História. Universidade do Minho, 2017.

Fabio
Fabio
Eu sou criador de conteúdo, curioso sobre tudo e especialista em pesquisar no Google. Sou um historiador, um professor com doutorado e anos de experiência na criação de conteúdo para as áreas acadêmicas e de marketing, incluindo livros, artigos para web e posts em mídias sociais. Eu gosto de fazer as coisas acontecerem e de liderar pequenas equipes por influência para alcançar grande sucesso. Eu criei o projeto Spirito Sancto, que torna a História mais acessível, e uma editora para autores independentes. Eu também sou escritor, com um romance premiado chamado Beije-me em Barcelona e vários livros de História.

Deixe um comentário